Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
27°
cotação atual R$

Tuédoidé? / Curiosidades

54 GRAUS

Acha que Belém tá pegando fogo? Conheça o 'lugar mais quente da Terra'

domingo, 23/08/2020, 16:36 - Atualizado em 23/08/2020, 18:06 - Autor: BBC Brasil


A temperatura no local passa dos 50ºC
A temperatura no local passa dos 50ºC | Getty Images

"Já perdemos a paciência com o calor que faz", diz Brandi Stewart, que trabalha no Parque Nacional do Vale da Morte, na Califórnia (Estados Unidos). "Quando você sai de casa é como ser atingido no rosto pelo ar vindo de secadores de cabelo."

 

O Parque Nacional do Vale da Morte é uma vasta área deserta cheia de desfiladeiros e dunas de areia que se estendem pela fronteira com o Estado vizinho de Nevada.

No domingo (16), o parque registrou a temperatura de 54,4°C — que pode ser a mais alta já aferida de forma confiável na Terra. A Organização Meteorológica Mundial (OMM) afirma que ainda está verificando o registro.

No entanto, na foto de Brandi, a placa que mostra a temperatura parece ter superaquecido.

Brandi é uma das poucas pessoas que se consideram em casa no local. O vale é conhecido como o "lugar mais quente do mundo" — nos EUA, ao menos (embora o parque possa ter batido o recorde de temperatura mais alta já registrada, o lugar com temperatura média mais alta ao longo do ano é Dallol, na Etiópia, no leste da África).

Brandi Stewart vive intermitentemente no Vale da Morte há cinco anos, trabalhando no departamento de comunicação do parque.

"É tão quente que demorei um pouco para me acostumar com o fato de que você não consegue sentir o suor na pele porque ele evapora muito rápido", diz ela à BBC. "Você pode sentir nas roupas, mas não sente o suor na pele. Seca muito rápido."

Brandi diz que passa muito tempo no verão dentro de casa, onde tem ar condicionado, mas algumas pessoas optam por ir às montanhas, onde as temperaturas são um pouco mais baixas.

"Assim que as pessoas se acostumarem com o calor, começam a normalizá-lo, e qualquer coisa abaixo de 26°C parece frio", brinca ela.

Death Valley Hits 130 Degrees, One Of The Highest Temperatures Recorded On Earth

                               "PARE. Temperatura extremamente alta", diz placa no Vale da Morte. Foto: Getty Images

Apesar das altas temperaturas, o Vale da Morte não é um dos lugares mais perigosos à saúde humana.

Isso porque é a combinação de temperatura e umidade, entre outros fatores, que pode tornar clima de uma região mais seguro ou perigoso para a saúde.

O Vale da Morte é seco, com índices de umidade do ar que giram em torno de 7%. A baixa umidade permite que o corpo lide melhor com a alta temperatura e consiga regular sua própria temperatura com mais facilidade.

Em locais muito quentes e muito úmidos, o suor não evapora com tanta facilidade — a evaporação do suor é uma das principais formas de auto regulação da temperatura do corpo no calor.

Ondas de calor que surgem em momentos onde a umidade do ar está alta também podem ser muito perigosas. Com o calor e a umidade, o corpo pode superaquecer, e a velocidade do vento também pode intensificar os perigos de uma onda de calor.

Ar-condicionado

As pessoas da cidade no Vale da Morte têm ar-condicionado, o que mantém as casas frescas enquanto não houver falta de energia — o que pode acontecer quando todos estão tentando manter suas casas em uma temperatura confortável.

A maioria das pessoas que trabalha e vive no parque nacional mora na cidade de Furnace Creek, onde o recente recorde de temperatura foi registrado. A cidade está situada em um vale longo e estreito, cerca de 85 metros abaixo do nível do mar. É cercada por cadeias de montanhas altas e íngremes.

Jason Heser, nascido no Estado americano de Minnesota, mora em Furnace Creek e trabalha no campo de golfe. É o campo de golfe mais baixo do mundo, a 85 metros abaixo do nível do mar.

"Já estive no Iraque duas vezes. Se posso aguentar o Iraque, posso aguentar o Vale da Morte", diz o veterano de guerra.

Ele começa a trabalhar no campo de golfe pouco antes das 5h e vai até às 13h.

"Assim que começa a ficar mais quente, como agora, começamos a trabalhar às 4h, quando a temperatura ainda está abaixo de 40°", diz.

A água usada para manter o campo em funcionamento vem de uma fonte natural subterrânea. Heser faz parte de uma equipe que ajuda a manter a área em boas condições.

Furnace Creek Golf Course

A cidade de Furnace Creek tem o campo de golfe mais baixo do mundo

"Cortamos a grama todos os dias, aparamos, arrumamos os bancos de areia. Estamos retirando árvores que caíram porque estão muito secas com o calor. Elas estão ficando pesadas e quebrando. Passamos boa parte do dia recolhendo essas árvores."

Heser foi morar no vale em outubro de 2019 e diz adorar seu trabalho. Ele planeja ficar lá por alguns anos. O inverno compensa as altas temperaturas do verão, diz ele.

Durante o tempo livre, ele gosta de jogar golfe no campo que se esforça tanto para manter. Mas isso significa começar bem cedo, às 7h, para aguentar o calor, e passar por 18 buracos.

"Adoro golfe", diz ele. "Quando cheguei aqui, a temperatura estava ótima para shorts, polo, uma cerveja gelada ou um refrigerante gelado. Agora, se você abre uma bebida, já está quente quando você chega à parte do percurso com grama baixa. É preciso beber rápido, o que torna o golfe interessante!"

A temperatura de domingo foi descrita como possivelmente a mais quente já registrada "com segurança" na Terra. Existem duas temperaturas mais altas nos livros de registro - uma em Furnace Creek em 1913 (56°) e outra na Tunísia em 1931 (55°). Mas isso é contestado por especialistas em clima.

 

"Cientistas e meteorologistas modernos sugerem que essas duas leituras não eram precisas", explica Simon King, da BBC Weather (serviço de metereologia da BBC).

"Quando você tem uma temperatura enorme como esta [em Furnace Creek], a Organização Meteorológica Mundial investiga mais e analisa muitas informações diferentes para verificar o registro".

Christopher Burt, historiador do clima, afirma que a temperatura registrada em 1913 no Vale da Morte é suspeita devido a outras leituras na área naquela época. A leitura em Furnace Creek foi dois ou três graus mais alta do que em outras estações meteorológicas ao redor, diz ele.

Esta é uma das razões pelas quais o recorde de domingo, se confirmado, está sendo descrito por alguns especialistas dos EUA como o mais alto já "registrado de forma confiável".

A OMM diz que está procurando verificar, mas mesmo que o faça, ela classificará a temperatura como a terceira maior já registrada, atrás do recorde de 1913 em Furnace Creek e o recorde de 1931 na Tunísia — apesar das dúvidas sobre eles.

 

Também há o argumento que outros lugares podem ter tido temperaturas mais quentes do que o Vale da Morte, mas os climatologistas simplesmente não as conhecem por falta de estações próximas.

Por enquanto, Furnace Creek é o lugar com a temperatura mais alta já registrada.

"As pessoas me perguntam como é viver aqui", diz Heser. "Sabe quando você está preparando comida, abre o forno e vem aquele bafo de ar quente na sua cara? Essa é a sensação."

Os perigos do calor

O calor pode levar pessoas à desidratação, à exaustão e até a infartos, problemas que podem ter consequências fatais — especialmente para idosos, crianças e para quem tem problemas cardíacos, renais e doenças respiratórias.

Ondas de calor, que mudam a temperatura repentinamente, podem ser mais perigosas do que regiões onde o clima é constantemente quente, explica Timothy Hewson, meteorologista do Centro Europeu de Previsão do Tempo de Médio Alcance (ECMWF, na sigla em inglês). Isso porque a mudança brusca de temperatura

Além disso, pessoas em situação de saúde mais frágil são as que mais sofrem se a temperaturas não caem para abaixo de 25º C durante a noite, explica Grahame Madge, meteorologista do Serviço de Meteorologia do Reino Unido.

Os diversos fatores fazem com que um outro tipo de medição seja importante, além da temperatura em si: a medição da "sensação térmica", que leva fatores como vento e umidade em consideração.

Que locais do mundo têm calor "insuportável"?

Um estudo recente publicado na revista científica Science Advances relatou que o mundo já está sofrendo com mais extremos de temperatura do que no passado.

Os autores analisam a combinação de calor e umidade de 7,8 mil estações de meteorologia pelo mundo entre 1980 e 2019.

Eles dizem que a frequência de eventos meteorológicos extremos dobrou em algumas regiões subtropicais costeiras durante o período de estudo.

Esses eventos foram encontrados repetidamente em grande parte da Índia, Bangladesh e Paquistão, no noroeste da Austrália e ao longo das costas do Mar Vermelho e do Golfo da Califórnia no México.

As leituras mais altas foram observadas 14 vezes nas cidades de Dhahran e Dammam na Arábia Saudita, Doha no Qatar e Ras Al Khaimah nos Emirados Árabes Unidos, que têm populações combinadas de mais de dois milhões.

Partes do sudeste da Ásia, sul da China, África subtropical e Caribe também foram atingidas.

O sudeste dos Estados Unidos viu condições extremas dezenas de vezes, principalmente perto da Costa do Golfo, no leste do Texas, Louisiana, Mississippi, Alabama e o Panhandle da Flórida. As cidades de Nova Orleans e Biloxi foram as mais afetadas.

"Os valores mais altos que discutimos ainda são muito raros para ter uma tendência clara, mas ocorreram predominantemente desde 2000", diz o autor principal do estudo Colin Raymond, pesquisador do Observatório Terrestre Lamont-Doherty da Universidade de Columbia.

De acordo com Steven Sherwood, um climatologista da Universidade de New South Wales na Austrália, "essas medições implicam que algumas áreas da Terra estão muito mais próximas do que o esperado de atingir um calor intolerável constante".

"Antes, acreditava-se que tínhamos uma margem de segurança muito maior."

Quais são as áreas de maior risco?

A maioria desses incidentes tendeu a se agrupar em litorais ao longo de mares confinados, golfos e estreitos, onde a evaporação da água do mar fornece umidade abundante para ser sugada pelo ar quente.

É a combinação de temperatura da superfície do mar extraordinariamente alta (TSM) e intenso calor continental que pode causar calor úmido extremo.

Isso levanta preocupações sobre populações de áreas mais pobres, que se aquecem rapidamente, e que não conseguirão se proteger do calor.

"Muitas pessoas nos países mais pobres em risco não têm eletricidade, muito menos ar condicionado", diz Radley Horton, um cientista pesquisador de Lamont-Doherty e co-autor do artigo.

"Muitas pessoas lá dependem da agricultura de subsistência, exigindo trabalho pesado diário ao ar livre. Esses fatos podem tornar algumas das áreas mais afetadas basicamente inabitáveis."

'Impossível viver'

Pesquisadores da mudança climática há muito alertam que a Terra testemunhará temperaturas "quase impossíveis de sustentar vida humana" em 2070.

Mas as condições descritas neste estudo sugerem que as temperaturas extremas combinando calor e umidade já estão surgindo — embora brevemente e em áreas localizadas.

Também reafirma a ideia de que essas ondas de calor úmido (e extremamente quentes) são projetadas para se tornarem muito mais frequentes sem reduções de emissões.

"Estamos vendo as temperaturas globais mais altas na última década e veremos mais. Conforme o dióxido de carbono continua a aumentar, veremos as temperaturas globais aumentarem", diz a professora Liz Bentley, da Royal Meteorological Society, no Reino Unido.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS